Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Contrato entre gerações I

por PR, em 10.12.12

Esqueçam o post anterior. Este é um bocadinho melhor.

 

Uma crítica habitual à Segurança Social redistributiva é que é um sistema falível, porque assenta apenas na promessa do Estado de que as gerações futuras estarão dispostas a pagar as reformas dos actuais trabalhadores. Se não houver dinheiro – seja porque não há vontade das gerações mais novas de entrar no esquema, seja porque não há sequer gerações mais novas suficientes – o sistema colapsa.

 

A alternativa é um regime de capitalização, em que cada pessoa desconta uma parte do seu rendimento para depositar num fundo de activos. Este esquema parece ser imune ao problema do sistema redistributivo. O dinheiro está lá: não depende da vontade das gerações futuras ou do número de filhos que viermos a ter.

 

Na verdade, não é bem assim. Um título, como uma acção ou obrigação, também representa uma promessa. A promessa do Estado de que dentro de alguns anos cobrará as receitas necessárias para amortizar a sua dívida, ou a promessa de uma empresa de que no futuro irá pagar uma percentagem dos seus lucros. Uma obrigação – um laço, no inglês (“bond”) – significa um compromisso de pagamento... no futuro.

 

Tanto a redistribuição como a capitalização prometem, essencialmente, a mesma coisa: em troca de uma poupança hoje – que pode assumir a forma de uma contribuição ou da compra de um activo -, o aforrador ganha hoje o direito de ter amanhã um lugar à mesa. É um direito de saque sobre um bolo incerto. Se não houver bolo, o lugar à mesa não serve de nada.

 

O bolo, neste caso concreto, é o PIB. E é da evolução deste agregado que depende a sustentabilidade de qualquer um dos sistemas. Um PIB menor representa menos lucros de empresa e menos impostos para o Estado, da mesma forma que representa menos contribuições para a Segurança Social.

 

Portanto, os dois sistemas são serão diferentes se, por algum mecanismo recôndito, tiverem impacto diferenciado no crescimento do PIB. Mas isso fica para o post seguinte.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:01


1 comentário

De Luís Lavoura a 11.12.2012 às 09:47

Já há muito tempo que venho argumentando como neste post, sem nunca ter sido ouvido.
É evidente que um velho precisa sempre de um agricultor que cultive maçãs para ele e de uma enfermeira que lhe limpe a arrastadeira. Se houver poucos adultos, então haverá poucos agricultores e poucas enfermeiras, dê lá por onde der. Os poucos adultos que haja deverão estar mais virados para dar maçãs aos seus filhos e tratá-los do sarampo do que para tratar dos velhos. Portanto, se houver poucos adultos o velho corre sempre elevados riscos. Mesmo que tenha passado toda a vida a poupar.

Comentar post




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Comentários recentes

  • clemence

    Boa noite, senhor/senhora,Viemos por esta mensagem...

  • cesar dasilva

    Até 1822 os brasileiros eram todos portugueses. O ...

  • S

    O povo portugues tem de deixar te tomar as coisas ...

  • silva

    Mário Assis Ferreira, Director da “Egoísta”, escre...

  • Carlos Barbarrosa

    Boa tarde:Li todos os comentários e respostas. E c...



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D