Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Por que gosto de Vítor Gaspar II

por PR, em 23.01.13

Abandonemos um pouco o ponto de vista dos credores AAA e pensemos nos devedores. O que poderia o ministro das Finanças de um dos PIGS fazer para sair da crise? A resposta é fácil: consolidar as contas, pagar os empréstimos e voltar a casa. Por isso, deixem-me reformular a pergunta: o que poderia um ministro das Finanças fazer quando a austeridade começasse a ter resultados marginais cada vez mais pequenos, quando começasse a perder o apoio popular e quando constatasse, finalmente, que a estratégia que estava a seguir estava a ter cada vez mais efeito na economia do que propriamente nas contas públicas?

 

 

Qualquer avaliação justa deve reconhecer que um Estado soberano tem sempre várias opções. Um Estado como a Grécia poderia deixar de pagar a dívida, deixando assim de receber os empréstimos de que ainda necessita para cobrir o seu défice primário. Ou poderia emitir moeda para o financiar, assumindo assim o ónus da saída do euro. Portanto, reformulando: o que poderia um ministro das Finanças fazer que não agravasse ainda mais a situação?

 

Vamos assumir como dado adquirido que o objectivo era, simplesmente, e aceitando a necessidade de ajustamento, prolongá-lo o mais possível no tempo, de maneira a mitigar o seu impacto na economia. Há pelo menos duas estratégias possíveis.

 

A primeira estratégia é a da pressão. Tomemos o exemplo da Grécia. A Grécia não tem, como a Inglaterra tinha no século XIX, um exército que obrigue a Alemanha a emprestar-lhe dinheiro, mas tem formas alternativas de exercer um grau de pressão semelhante. Em primeiro lugar, pode fazer de carneiro enquanto pede o empréstimo e transformar-se em lobo depois de o dinheiro chegar, ameaçando que não paga o empréstimo. Em segundo lugar, pode ameaçar sair do euro – talvez a saída grega não assuste particularmente os alemães, mas a estória muda de figura se o caos gerado por esta saída contaminar os restantes países da periferia.

 

A Grécia pode assim a quebrar o dilema da crise do euro fazendo com que a estratégia dos AAA de sugar ao máximo se tornasse menos atractiva para os credores do que a estratégia sugar um pouco menos antes que eles façam a casa ir pelo ar. Esta estratégia, potencialmente suicida, não é tão louca quanto parece. De facto, muitos casos diplomáticos no campo das relações internacionais são apenas solucionados quando uma das partes altera o equilíbrio de forças e sobe os custos de uma das alternativas para o outro lado. Mas os riscos de uma escalada do conflito são óbvios.

 

Outra estratégia para quebrar este dilema passa por ultrapassar o fosso que separa o credor do devedor. Se o credor não dá mais tempo porque não há confiança entre as partes, há que trabalhar essa confiança. Quando a confiança for reestabelecida, será mais fácil tornar a relação mais duradoura, entrando numa solução do género “tu dás-me mais dinheiro hoje e amanhã, mais tempo para eu ajustar e eu comprometo-me a ajustar durante um período mais prolongado”.

 

Se é fácil perceber em que consiste esta estratégia , é mais difícil perceber como é que ela pode, na prática, ser implementada. Uma forma simples de dar confiança entre as partes é unir indelevelmente o seu destino, de forma a que possam partilhar objectivos comuns. Nas relaçoes interpessoais, isto faz-se através de contratos formais como o casamento – que neste caso, significaria avançar para uma união política, assumindo a responsabilidade de um ajustamento prolongado e dando, em contrapartida, a possibilidade de intromissão unilateral na nossa política interna.

 

Mas uma forma mais branda de confiança passa por dar provas de que somos confiáveis. Uma pessoa que não abandona o amigo numa situação de aflição está a dar uma prova de que é confiável, que vale mais do que quaisquer promessas que se possam fazer. Um ministro das Finanças confiável deve adoptar uma postura semelhante, aceitando sacrificar a sua segurança em prol de um objectivo maior. Um ministro das Finanças confiável adopta medidas de austeridade sem se preocupar permanentemente com cálculos de ordem política e partidária; revela uma grande obstinação na redução do défice e perde mais tempo a pensar em formas de controlar a despesa do que a pressionar os credores para ter juros mais tempo ou mais dinheiro; não tem medo de arriscar a sua reputação com medidas impopulares; e abdica de alimentar a plebe com ilusões de ‘políticas de crescimento’ que sabe que não pode financiar. Um ministro das Finanças confiável mostra a quem está lá fora que não está cativo de promessas que nunca chegou a fazer.

 

Qualquer das duas estratégias pode ser bem sucedida. Mas, apesar de serem completamente divergentes, ambas têm um elemento em comum: a escolha de qualquer uma delas inviabiliza, quase automaticamente, uma inversão de marcha a meio do caminho. Um Estado cumpridor e confiável já revelou que não está disposto a arriscar a solução de risco, o que esvazia a credibilidade de um bluff do tipo “ou nos ajudam ou rebentamos com isto”; e um Estado que tente a estratégia kamikaze corrói definitivamente a sua credibilidade junto dos credores, o que impossibilita contratos de longo prazo com esses mesmos credores. Uma vez falhada a estratégia da ‘renegociação pela ameaça’, torna-se quase impossível conseguir ganhar a confiança necessária para uma ‘renegociação pela persuasão’. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:16


4 comentários

De jj.amarante a 23.01.2013 às 10:44

Esta referência
"A Grécia não tem, como a Inglaterra tinha no século XIX, um exército que obrigue a Alemanha a emprestar-lhe dinheiro, " ao poderio da Inglaterra no século XIX é um exemplo teórico ou houve alguma espécie de ameaça mais ou menos velada duma Inglaterra devedora a uma Alemanha credora durante o século XIX?

De jj.amarante a 23.01.2013 às 10:55

Esta frase "Um ministro das Finanças confiável mostra a quem está lá fora que não está cativo de promessas que nunca chegou a fazer." é muito questionável. Talvez ele pessoalmente não tenha prometido nada mas o actual primeiro-ministro ganhou as eleições fazendo promessas que estão à maior distância, desde 1974, entre o prometido e o executado. E se ele é ministro das finanças deve-o em boa parte a essas falsas promessas. E se aumentou imenso a sua credibilidade face aos credores, arrasou-a face aos seus compatriotas. Eu, por exemplo, deixei de ouvir a maioria dos membros do actual governo porque uma boa parte do interesse em ouvir um governante é reduzir a incerteza em relação ao futuro. Com tantas mentiras que quer o primeiro-ministro quer o ministro das finanças têm dito, considero que não vale a pena ouvi-los.

De PR a 23.01.2013 às 21:44

Sim, a Inglaterra usou frequentemente a força militar para garantir o cumprimento de acordos económicos e financeiros no século XIX (com a China, salvo erro, e possivelmente com o Japão também).

Repare que se o que o VG quer é aliviar as metas para o défice, é a confiança externa, e não a interna, que ele tem de ganhar. Não vale de nada ser muito credível cá dentro se isso não tem efeito nenhum na dose de austeridade que tem de aplicar.

De NG a 23.01.2013 às 22:45

Priscila,
O problema é mesmo esse. Toda a gente percebe que, com mais ou menos violência, a austeridade é necessária. Para que seja eficaz, isto é, para que os portugueses perseverem na dificuldade e acreditem que os sacrifícios fazem sentido e terão resultados, é necessária, internamente, a credibilidade, de quem a gere. A mentira descarada insistente não parece a melhor maneira de a conseguir. Mas estou conformado: prefiro "olhem para aquilo que faço não escutem aquilo que digo" ao seu contrário.

Comentar post




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Comentários recentes

  • clemence

    Boa noite, senhor/senhora,Viemos por esta mensagem...

  • cesar dasilva

    Até 1822 os brasileiros eram todos portugueses. O ...

  • S

    O povo portugues tem de deixar te tomar as coisas ...

  • silva

    Mário Assis Ferreira, Director da “Egoísta”, escre...

  • Carlos Barbarrosa

    Boa tarde:Li todos os comentários e respostas. E c...



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D