Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Um dos blogues ali do lado dá esta semana mais uma machadada na política económica de estabilização. O argumento é simples: esta não é uma crise económica mundial, mas uma crise económica dos países sobre-endividados. Ou, como diz o autor, "se  aumentar o endividamento para estimular a economia resultasse, as economias que tivessem aumentado a dívida teriam a aumentar o peso da sua economia no mundo". Claramente, não é isso que acontece, como mostra...

 

... Como mostra...

 

Bom, como mostra um gráfico a comparar o PIB japonês com a sua dívida pública. O Japão aumentou a sua dívida e o seu peso no PIB mundial diminuiu. Sim, a "evidência" desta tese universal resume-se a isto; mas, felizmente, o que não falta por aí são exemplos a corroborá-la. Como este, da China:

 

 

 

 

Piadas à parte, esta é uma boa oportunidade para falar um pouco acerca de inferência em política económica. Ler a blogosfera tuga, por estes dias, pode ser exasperante, se pensarmos que é esta a opinião em Portugal, ou trágico, se pensarmos que há quem acredite mesmo no que escreve. E a Direita, que em tempos cultivou o hábito de chamar "economicamente ignorante" à Esquerda (não sem boas razões, diga-se em abono da verdade), parece ter assumido orgulhosamente esse papel nos últimos dois ou três anos. Aqui seguem em baixo, como diria o João Miranda, algumas dicas para não se parecer um Batista da Silva da Direita:

 

1 - A estatística dá-se mal com exemplos particulares. Um caso particular não prova nada, e mesmo dois ou três não são servem propriamente como evidência. Se quer demonstrar alguma coisa, vai mesmo ter de usar testes estatísticos. Se não quiser, não souber ou não tiver tempo para o fazer, deve pelo menos ter o cuidado de confirmar que o exemplo que citou não tem contra exemplos óbvios que o invalidem como prova. Ah, e esqueça o cherry-picking. Acredite: há sempre quem o apanhe.

 

2 - Não confundir fluxos com stocks. Esta é velhinha, mas recorrente. A hipótese fundamental da política de estabilização é que a variação do défice (um fluxo) pode atenuar ou evitar recessões, e não que o crescimento da dívida (um stock) as elimina. É possível que o défice esteja a diminuir e a dívida como percentagem do PIB aumente, e é possível que o défice esteja a aumentar enquanto a dívida diminui. Se quer analisar política de estabilização, compare o que deve ser comparado.

 

3 - Compreenda o que critica. As coisas são sempre mais complicadas e têm mais nuances do que parece à primeira vista. Um keynesiano não pede despesa para aumentar o potencial de crescimento da economia, mas para garantir que ela trabalha mais perto desse potencial. Por isso, não é correcto esperar que, segundo o keynesianismo, mais despesa ponha uma economia a crescer mais no longo prazo. Quanto muito, ela desviar-se-á menos da taxa natural de desemprego do que outra em que as autoridades adoptem uma postura passiva. É a diferença entre o curto prazo, onde a procura conta, e o longo prazo, onde é a oferta quem manda.

 

4 - Correlação não é causalidade. Se A e B surgem associados, isto pode ser porque A causa B, porque B causa A ou porque C causa ambos. No caso concreto da política de estabilização, nunca parta do princípio 'óbvio' de que é a dívida que causa o abrandamento. É igualmente provável que seja o abrandamento da economia a aumentar a dívida, via estabilizadores automáticos e política discricionária. Lembre-se que é nas estradas mais perigosas que são colocadas mais passadeiras. 

 

5 - Seja honesto. Diz-se que é possível enganar muita gente durante algum tempo ou alguma gente durante muito tempo. É uma treta - agora, nem isso. Com tanta gente a ler blogues, qualquer número martelado ou informação enviesada é apanhada em dois tempos. Um economista informado sabe que as economias menos desenvolvidas conseguem crescer mais rápido do que as mais desenvolvidas, até pelo efeito demográfico. Comparar o crescimento da China com o Japão, ou dos EUA com o mundo, só revela ignorância ou má fé. Nenhuma das duas é um adjectivo agradável.

 

6 - Evite o revisionismo. "A austeridade não está a falhar porque ela nunca foi tentada", "A inflação real está a ser escondida pelas autoridades estatísticas", "A Grécia não está em recessão por cortar o défice mas por cortar muito pouco". Não vá por aí: há um mundo lá fora. E não precisa de se desgraçar só porque não consegue convencer a audiência. Faça uma retirada estratégica e deixe o assunto morrer. Se a batalha está perdida, viva para combater noutro dia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:56


3 comentários

De Nuno Gaspar a 09.01.2013 às 01:20

Muito boa malha, Priscila. Esse post do Insurgente precisava da sova que você lhe deu. Tem graça ver uns miúdos (provavelmente) aos pulos, em mais 50 posts, com a desgraça de um interlocutor que nunca foram capazes de contestar (com o desembaraço e tranquilidade que você aqui demonstrou), cairem em tamanhas falácias e sabugices.
Há só uma coisa que não percebi no ponto 2: Se a dívida é um acumulado de défices como pode diminuir se este aumenta? Ou como pode a dívida pública portuguesa ter aumentado no último ano dramaticamente em desproporção ao défice registado? Arranjos contabilísticos de conveniência?

De PR a 09.01.2013 às 23:56

Nuno, a dívida é somatório dos défices (não é exactamente; mas é quase). A orientação da política orçamental, por sua vez, é determinada pela variação dos défices.

Imagine que eu tenho uma dívida de 1000€ em 2010 e um défice de 50€. Em 2011, tenho um défice de 25€ e a dívida, consequentemente, passa para 1050€. Repare que a dívida aumentou apesar de o défice ter diminuído. A teoria keynesiana não prevê, porém, que o crescimento acelere - por outro lado, prevê que a restrição ao défice ponha um travão na economia.

Agora imagine uma dívida de 1000€ e um excedente de 50€ em 2010. Em 2011, o excedente passa para 25€ e a dívida reduz-se para 950€. A política orçamental foi claramente expansionista, apesar de a dívida se ter reduzido.

Em suma, não é a variação da dívida que determina a orientação da política orçamental. É a variação do saldo.

De PR a 09.01.2013 às 23:58

Onde se lê 1050€ deve ler-se 1025€. Onde se lê 950€ deve ler-se 975€.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Comentários recentes

  • Anónimo

    Testemunho de um empréstimoConsegui obter um empré...

  • Anónimo

    Vivo hoje em Portugal e portugueses são todos ment...

  • Anónimo

    When It Comes To Personal Loans * Business Loans e...

  • Anónimo

    Do You Need A Loan To Consolidate Your Debt At 1.0...

  • clemence

    Boa noite, senhor/senhora,Viemos por esta mensagem...



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D